A sereia, o amante e o corno

As sereias quando voam também se molham
folheiam a espuma azul das nuvens
observam as ondas de baixo para cima
percorrendo-se atrás das bolhas d’ar

Mas guardadas estão por velhos tritões
amarram-nas com filhos, dívidas, sossegos
serenos as compraram, exaltados as conservam
como putas na cama até que por tédio

encantam as sereias os passantes
devoram-nos pelos sentidos e depressa
a jaula onde o tritão as guarda

descobrem. É depois longa a espera pela surdez
que da paixão os liberta, se entretanto o corpo
provaram e o amor viveram, que mais importa?

2013
Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s